Fruto de um enorme respeito pela Natureza e de toda a nossa paixão e dedicação.

O Poema reflete essa arte ancestral de viver: um Alvarinho sem pressas que repousa 24 meses sobre as borras finas e vários meses em garrafa, num estágio prolongado que lhe confere complexidade e elegância. É um Alvarinho gastronómico que se revela no copo, rico e cheio na boca com um longo e agradável final.
Em 2009 foi incluído na lista dos 50 Grandes Vinhos Portugueses de Sarah Ahmed, podendo ser encontrado em alguns dos melhores restaurantes pelo mundo: Aldea (Nova Iorque - Uma Estrela Michelin - chef George Mendes); Fortaleza do Guincho (Cascais - Uma Estrela Michelin - chef Miguel Vieira); Belcanto (Lisbon - Duas Estrela Michelin - chef José Avillez); etc.

Notas de prova

De cor citrina com reflexos esverdeados indicia-nos que se trata de um vinho jovem. As notas frescas e subtis de flores brancas, associam-se a alguma mineralidade e frutos exóticos, sobretudo lichias, que dão a este vinho Alvarinho a complexidade aromática, típica da região que lhe deu origem, considerada o seu berço. Na boca revela muito frescura  envolvida por uma sensação de volume e sucrosidade, conferindo-lhe um final equilibrado, complexo e muito elegante. Um vinho a beber de imediato ou guardar durante vários anos.

Sugestões gastronómicas

Peixe e marisco, comida asiática, presunto, carnes brancas, queijos de pasta mole. Em qualquer momento faz muito boa companhia.

Ficha técnica